A Regra do Escoteiro

É comum termos que alterar um código fonte escrito por outras pessoas. Em muitos casos, nós mesmos somos os responsáveis. Acontece que esse código pode ter sido criado há muito tempo, em um contexto diferente. Mal lembramos em que momento o escrevemos. Independente de quem seja o “pai da criança”, a alteração deve ser realizada e essa seria uma boa oportunidade para se fazer pequenas melhorias.

Lembro de ter lido no livro Clean Code, do Uncle Bob, sobre a Regra do Escoteiro (The Boy Scout Rule). Ela diz que ao sair da área onde você estava acampado, deixe-a mais limpa do que quando a encontrou. É uma regra simples, mas eficiente. Podemos aplicá-la ao nosso dia a dia de desenvolvedor. Não importa quem é o responsável. O importante é fazer com que o código fique mais fácil de ser entendido por outras pessoas que precisem trabalhar nele dali em diante.

Você não precisa refatorar o código de cabo a rabo. Mudar o nome de uma variável ou método, para deixar o código mais claro e expressivo, já é uma boa contribuição. Ou mesmo quebrar um método grande em métodos menores, transformar números mágicos em constantes e por aí vai. Essas pequenas mudanças melhoram o entendimento do sistema. Poderíamos até nos desfazer de alguns comentários, diminuindo a quantidade de coisas a manter (menos é mais).

Entretanto, existem mudanças que interferem diretamente na lógica da aplicação. Para realizá-las, é preciso ter alguma garantia de que essas mudanças não irão quebrar o sistema. Uma forma de ter essa garantia é através de testes. Caso seu sistema não tenha um conjunto confiável deles, o primeiro passo para ” deixar esse mundo um pouco melhor do que quando você o encontrou” seria criar alguns testes. Com uma bateria de testes nos resguardando, poderemos realizar alterações no código com a confiança de que não alteraremos o comportamento esperado do sistema.

Aplicar essa regra ajuda a desenvolver um senso maior de coletividade de código.  Passamos a cuidar do todo, não só do que fazemos. Desperta também uma maior preocupação com o trabalho dos demais membros da equipe, pois sempre pensamos em melhorar o fonte para ajudar outra pessoa ou, por diversas vezes, nós mesmos.

 

A Regra do Escoteiro